A luz do Sertão entre o cinema brasileiro e a literatura: coexistências de choques lumínicos

Tema: Artistas latinoamericanos

Título: A luz do Sertão entre o cinema brasileiro e a literatura: coexistências de choques lumínicos

Nombre: Ronald Souza de Jesus

Institución: Professor substituto na Faculdade de Comunicação da Universidade de Brasília – UnB, Brasília – DF / Brasil

Resumen:

Há, no nordeste brasileiro, uma luz de características peculiares se comparadas com as luzes naturais que tocam outras paisagens do planeta. Essa luz tropical, intensa, associada às condições de Sertão e seus dramas – seca, estiagem, calor – causam o que o diretor de fotografia Ricardo Aronovich define como choque lumínico: uma ação da luz em condição de maioridade sobre o artista, levando-o a repensar seus modos de observar e registrar os espaços e as narrativas que se desenvolvem nessas paisagens. Será estabelecido diálogo com três filmes, partindo de Vidas Secas (1963) – adaptação da obra de Graciliano Ramos –, passando por Guerra de Canudos (Sérgio Rezende, 1999) – baseado em Os sertões, de Euclides da Cunha – e aportando em A máquina (João Falcão, 2006) – baseado no romance homônimo de Adriana Falcão. Nesse itinerário, unindo métodos de análise de conteúdo, análise fílmica, entrevistas não estruturadas realizadas com diretores de fotografia e guiando-se pelos conceitos de Choque Lumínico (ação da luz sobre o indivíduo) e de fiat lux (ação do indivíduo na criação e controle da luz), será realizada uma análise das coexistências de choques lumínicos nas obras fílmicas e em suas raízes literárias através da observação das correspondências de iluminações nas narrativas de ambos os suportes. Desse modo, o texto apresentará um panorama das luzes e das sombras no Sertão do cinema de ficção sob as seguintes categorias de análise: luz, sombra, temperaturas de cor, luminosidade, formatos e suportes de captação – elementos físicos responsáveis pela materialização dos roteiros e textos literários em narrativas visuais.