A voz da narradora menina em reze pelas mulheres roubadas (2015), de Jennifer Clement

Tema: Articulaciones culturales

Título: A voz da narradora menina em reze pelas mulheres roubadas (2015), de Jennifer Clement

Nombre: Marcia Machado de Lima

Institución: Universidade Federal de Rondônia

Resumen:

O presente trabalho analisa a voz narrativa enunciada por Ladydi, narradora-personagem do romance Reze pelas Mulheres Roubadas, de Jennifer Clement (2015), menina moradora em uma vila do Estado de Guerreiro, México, na região do Porto de Acapulco, à mercê dos traços sociais, políticos e econômicos fronteiriços delineados com a imigração ilegal para os Estados Unidos. Levantou-se os recursos da voz narrativa para apontar dois conjuntos nestes traços, especificamente, quanto à cooptação e à violência do narcotráfico envolvendo as mulheres e sua identidade fixada: como a vida é usurpada, inclusive pelo trabalho; como a dinâmica fronteiriça impõe sua estética no conflito resistência/ violência. Do ponto de vista dos recursos, a menina Ladydi produz uma narrativa instável e fragmentária, irônica. Denuncia o grau de pertencimento da menina à história das mulheres naquele contexto e, ao mesmo tempo, deixa pistas sobre o modus operandi marcado pelas estratégias de enfrentamento. A narração de Ladydi utiliza-se de repetições, interrupções e retomadas (NUNES, 1995), digressões e suplementos (TODOROV,2013) conforme os acontecimentos se apresentam a ela. A singularização (Tomachevski,1970) imprime dinamicidade ao jogo que ora distancia, ora identifica narradora e autor. Especificamente, as repetições produzidas pela voz periférica da narradora menina demonstram como as histórias estão entretecidas na composição das relações de poder, vividas por todos os personagens, no limiar, como experiência fronteiriça.