Afrolatinidades e diásporas do Atlântico: literaturas, identidades e afrocentricidade

Tema:

Oralidad y escritura

Título de la mesa:

AFROLATINIDADES E DIÁSPORAS DO ATLÂNTICO: literaturas, identidades e afrocentricidade

Nombre del coordinador:

Resumen:

A mesa redonda Afrolatinidades e diásporas do Atlântico pretende abrigar comunicações que proponham problemas de pesquisa desde a noção norteadora de diferença e, mais especificamente, a diferença a serviço de uma compreensão das literaturas negras contemporâneas. Tais comunicações dizem respeito a pesquisas transdisciplinares entre as áreas de Estudos Literários e História, concluídas ou em andamento, buscando promover diálogos e aproximações entre perspectivas teóricas- discursivas que se enunciam de lugares distintos. Propõe-se dissertar sobre construções identitárias negras, a partir de dois eixos: a) suas representações nas literaturas africanas contemporâneas, notadamente nas literaturas africanas de língua portuguesa, embora não apenas a estas; e b) suas representações nas literaturas afro-americanas (ou, conforme o aporte teórico de cada comunicação, nas literaturas negras americanas), tomadas preferencialmente desde um lugar americano. Isso implicará acolher, no âmbito desta mesa redonda, comunicações que abordem o recurso, no campo dos Estudos Literários, ao conceito de diáspora, dizendo respeito às formas de trânsito, de travessia, de migrações estabelecidas, a partir do século XVI, entre os continentes africano, europeu e americano: neste caso, privilegiam-se pesquisas centradas no advento da escravização de populações africanas nas três Américas, assim como seus corolários em construções identitárias afro-americanas verificáveis nas literaturas das três Américas e do Caribe, seja em línguas de origem africana (como, por exemplo, o papel da língua créole em uma história possível da literatura nas Antilhas, no Haiti), seja em uma das línguas ocidentais presentes nas obras literárias negras americanas (notadamente o espanhol, o francês, o português e o inglês). No âmbito desta mesa redonda, o conjunto de comunicações buscará problematizar a abrangência e/ou os limites críticos às noções e conceitos centrais em jogo: por exemplo, expondo limites próprios ao conceito de diáspora, rumo a uma compreensão das literaturas afro-americanas; ou, por outro viés, examinando os limites de um conceito mais geral de literatura afro enquanto parte integrante de uma literatura nacional mais ampla (como, por exemplo, o que tem feito Silvia Valero em suas pesquisas recentes, estabelecendo limites críticos a uma noção de literatura afro- colombiana), buscando a revisão desses conceitos e demarcações a partir de uma abordagem afrocentrada, o que leva a questionamentos do estabelecimento da diferença, e, pois, de políticas de localização, de construção identitária e suas representações agenciadas pelo olhar negro. Como um dos muitos referenciais teóricos basilares a esta proposta, situamos o que Édouard Glissant, em Introduction à une poétique du Divers (1996), concebe como pensamento de traço, do que decorre tanto a noção de construções identitárias quanto ao conceito de diáspora com o que as comunicações estabelecerão diálogo, no decorrer dos trabalhos. Outra referência, ainda, é o conceito de Afrocentricidade, pensado por Molefi Asante, e difundido entre nós, entre outros, através do volume Afrocentricidade, organizado por Elisa Larkin Nascimento, e integrante da Coleção Sanfoka. Preconiza-se uma abordagem

transdisciplinar como forma de tradução da diferença, na potencialidade de evidenciar traços (ou, conforme o aporte teórico de cada comunicação, rastros/resíduos) destes sujeitos, sob a hipótese de que distintos universos de significados instauram possibilidades de conciliação que não poderiam ser previstas por campos disciplinares isolados. Ou seja, esta mesa redonda acolherá comunicações que versem sobre processos de construções identitárias africanas e afro-americanas, compreendidas em si e em relação a outros grupos. As propostas de comunicação submetidas se apropriam de referenciais teóricos capazes de propor novas ressignificações, que evidenciem os entre-lugares da tradição e suas constantes renovações; propõem, ademais, referenciais críticos a abordagens dicotômicas entre os pensamentos europeu e americano, bem como a maniqueísmos do tipo colonizador/colonizado, com vistas a estimular a compreensão do Diverso próprio às construções identitárias afro- americanas e seus gestos. Cumpre salientar que esta mesa redonda busca intensificar redes de trabalho já formadas, assim como agregar novas(os) pesquisadoras(es) e perspectivas de trabalho. Por fim, ressalta-se que esta mesa tem sido proposta, executada e apoiada no âmbito dos Grupos de Pesquisa Americanidades: lugar, diferença e violência e Literatura, história e imaginário, ambos cadastrados no Diretório de Grupos de Pesquisa no Brasil/CNPq. Esta nova etapa busca, simultaneamente, prolongar trabalhos acadêmicos e consolidar redes já iniciadas em simpósios recentes realizados, pelo Grupo de Pesquisa Americanidades: lugar, diferença e violência, no II Encuentro de las Ciencias Humanas y Tecnologicas para la integración em América Latina y Caribe (ECHTEC, realizado em Bogotá, em 2013); no V Congreso Interoceánico de Estudios Latinoamericanos (realizado em Mendoza, em 2014); assim como nas duas últimas edições do Congresso Internacional da ABRALIC, em 2013 e 2015.

Títulos de las ponencias:

Fagocitar nossos Outros: da legitimidade de sujeitas(os) negras(os) em Teoria Literária - Alcione Correa Alves (UFPI; IDEA/USACH). Negras grafias contemporâneas: das escre(vivências) aos gestos performativos - Cristian Souza de Sales (UNEB). Da canonização da literatura afro-brasileira: política de memória, marginalidade e afrocentrismo
Denise Almeida Silva (URI)—O Caliban de Brathwaite: identidade e resistência - Sebastião Alves Teixeira Lopes (UFPI)